Pular para o conteúdo principal

Quem somos

O Instituto Carl Menger (ICM) é uma iniciativa educacional voltada para a disseminação e aplicação dos fundamentos das ciências econômicas. Sediado em Brasília, DF, o ICM tem por objetivo promover o ensino teórico,  a pesquisa, o debate e a construção de um profícuo networking profissional entre os participantes. A orientação acadêmica do Instituto advém principalmente, mas não exclusivamente, da Escola Austríaca de Economia, cujo ilustre fundador homenageamos.


As principais atividades desenvolvidas pelo ICM são seminários temáticos, palestras, cursos, produção e edição de artigos, livros etc.

CONTATO:

Daniel Marchi (Diretor Executivo)
danielmarchi@gmail.com



MEMBROS

Lino M. Gill (Presidente) - Economista-chefe e assessor de finanças na DXI Consultoria. Ex-presidente do Conselho Executivo da organização Estudantes Pela Liberdade. Praxeologista e estudante da Escola Austríaca desde 2007.

Daniel Marchi (Diretor Executivo) - Economista graduado pela FEA USP Ribeirão Preto. Fundador e coordenador do Grupo de Estudos de Escola Austríaca de Brasília. Trabalha no serviço público federal desde 2005.

Tullio C. Bertini (Diretor Administrativo) - Mestre em Economia e Finanças pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Membro do Grupo de Estudos de Escola Austríaca de Brasília. Trabalha no serviço público federal desde 2005.

Postagens mais visitadas deste blog

Função social da empresa, da propriedade e do contrato: O que é isso?

por José Carlos Zanforlin
Julgar é uma forma de ação humana
Algumas teorias são tão fabulosas em simplicidade e abrangência que perduram no tempo e influenciam diversas áreas de nossa manifestação intelectual. A teoria da ação humana, de Ludwig von Mises, que foi base de seu tratado de economia, é uma delas. Em suas palavras, “Estas observações preliminares se faziam necessárias a fim de explicar por que este tratado coloca os problemas econômicos no vasto campo de uma teoria geral da ação humana. ”[1]. Muito antes de Mises, é emblemático que João, em seu Evangelho, tenha dito que “No princípio era o verbo”, para explicar o início de tudo. Sabemos todos nós que verbo retrata ação; logo, o princípio criador de tudo foi/é a ação, provenha de onde provier.

Governo, cidadão e voto: como o voto disfarça os privilégios

por José Carlos Zanforlin
O SCRIPT
Antes de tudo, esclareça-se que cidadão, na estrutura política do Estado, é o indivíduo que vota e pode ser votado; assim, por causa do tema do artigo, será utilizado esse termo quando referido aos que votam, embora “indivíduo”, que também se submete ao Estado, seja conceito muito mais abrangente e verdadeiramente ontológico.
A Constituição brasileira em vigor, logo no artigo primeiro, contém três informações: (i) o Brasil é um estado federado, e não unitário, (ii) seu regime de governo é democrático, e não autoritário, e (iii) o poder provém do povo, mas é exercido por meio de representantes ou diretamente em específicas situações[1]. Esses dados são obtidos diretamente do texto constitucional, e expressam noção de valor do grupo dominante que elaborou a Constituição. Entretanto, é possível obter-se outras impressões sobre democracia, aqui; aqui; aqui e aqui.

Competição e Cooperação

Traduzido por Flávio Ghetti

Neste ensaio, o vice presidente do Cato Institute David Boaz mostra o relacionamento entre competição e cooperação, sempre apresentadas como alternativas inflexíveis: uma sociedade é organizada por um princípio ou outro. Ao contrário, como explica Boaz, na ordem econômica capitalista, pessoas competem para cooperar umas com as outras.

- -

Defensores do processo de livre mercado sempre enfatizam os benefícios da competição. O processo competitivo permite fazer considerações constantes. Testando, experimentando e adaptando em resposta às mudanças nas situações, a competição mantém as empresas constantemente com os pés no chão para servir a seus clientes. Tanto analiticamente quanto empiricamente podemos ver que sistemas competitivos produzem melhores resultados do que sistemas centralizados ou monopolísticos. Por isso é que em livros, artigos de jornal e aparições na TV os defensores do livre mercado enfatizam a importância de mercados competitivos e opõe-se …