Pular para o conteúdo principal

Quem somos

O Instituto Carl Menger (ICM) é uma iniciativa educacional voltada para a disseminação e aplicação dos fundamentos das ciências econômicas. Sediado em Brasília, DF, o ICM tem por objetivo promover o ensino teórico,  a pesquisa, o debate e a construção de um profícuo networking profissional entre os participantes. A orientação acadêmica do Instituto advém principalmente, mas não exclusivamente, da Escola Austríaca de Economia, cujo ilustre fundador homenageamos.


As principais atividades desenvolvidas pelo ICM são seminários temáticos, palestras, cursos, produção e edição de artigos, livros etc.

CONTATO:

Daniel Marchi (Diretor Executivo)
danielmarchi@gmail.com



MEMBROS

Lino M. Gill (Presidente) - Economista-chefe e assessor de finanças na DXI Consultoria. Ex-presidente do Conselho Executivo da organização Estudantes Pela Liberdade. Praxeologista e estudante da Escola Austríaca desde 2007.

Daniel Marchi (Diretor Executivo) - Economista graduado pela FEA USP Ribeirão Preto. Fundador e coordenador do Grupo de Estudos de Escola Austríaca de Brasília. Trabalha no serviço público federal desde 2005.

Tullio C. Bertini (Diretor Administrativo) - Mestre em Economia e Finanças pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Membro do Grupo de Estudos de Escola Austríaca de Brasília. Trabalha no serviço público federal desde 2005.

Postagens mais visitadas deste blog

Governo, cidadão e voto: como o voto disfarça os privilégios

por José Carlos Zanforlin O SCRIPT Antes de tudo, esclareça-se que cidadão, na estrutura política do Estado, é o indivíduo que vota e pode ser votado; assim, por causa do tema do artigo, será utilizado esse termo quando referido aos que votam, embora “indivíduo”, que também se submete ao Estado, seja conceito muito mais abrangente e verdadeiramente ontológico . A Constituição brasileira em vigor, logo no artigo primeiro, contém três informações: (i) o Brasil é um estado federado, e não unitário, (ii) seu regime de governo é democrático, e não autoritário, e (iii) o poder provém do povo, mas é exercido por meio de representantes ou diretamente em específicas situações [1] . Esses dados são obtidos diretamente do texto constitucional, e expressam noção de valor do grupo dominante que elaborou a Constituição. Entretanto, é possível obter-se outras impressões sobre democracia, aqui ; aqui ; aqui e aqui .

Eu, o Lápis – Edição de 50 anos

Introdução de Lawrence W. Reed e posfácio de Milton Friedman Traduzido por Flávio Ghetti Introdução Por Lawrence W. Reed Eloquente. Extraordinário. Atemporal. Mudança de Paradigma. Clássico. Meio século após sua primeira publicação, “Eu, o Lápis” de Leonard Read, ainda provoca tais adjetivos de louvor. Merecidamente, pois este pequeno ensaio abre os olhos e mentes de pessoas de todas as idades. Muitos que o leram pela primeira vez nunca mais viram o mundo do mesmo modo novamente.

A não-neutralidade de redes é uma prática corriqueira de mercado

por Pedro Borges Griese Foi aprovado recentemente na Câmara de Deputados o projeto de lei chamado Marco Civil da Internet. Uma das partes desse projeto prevê a tal neutralidade de rede. Quatro artigos publicados neste site ( aqui , aqui , aqui e aqui ) ilustram os efeitos do problema da imposição da arquitetura de rede neutra na Internet. Este artigo não tem o objetivo de debater a neutralidade de rede na Internet, mas sim o de apresentar alguns exemplos práticos de tratamentos não-neutros em outras indústrias organizadas em redes, os quais mostram como a diferenciação no tratamento — seja priorizando ou discriminando — possibilita soluções de mercado não apenas racionais, mas também úteis e corriqueiras.