Pular para o conteúdo principal

PALESTRA: Economia e Direito - A Questão da Propriedade Intelectual


Data: 9 de março de 2015, segunda-feira
Hora: 19h30
Local: Espaço educacional da DXI
Setor Hoteleiro Sul, Complexo Brasil 21, Bloco A, Sala 312 (em frente ao Posto da Torre), Brasília, DF. Vagas limitadas a 40 lugares.

Poucos temas despertam mais interesse que a necessidade de defesa dos chamados "direitos de
propriedade intelectual". Eles são importantes para o desenvolvimento tecnológico ou representam barreiras à concorrência? Ideias podem ser objeto de apropriação? Estabelecer propriedade sobre ideias não seria uma criação artificial de escassez? Em suma, o conhecimento jurídico é suficiente ou existem consequências econômicas não planejadas?

Essas e outras questões serão abordadas nessa palestra.

A apresentação ficará a cargo de André Luiz Santa Cruz Ramos. Bacharel e mestre em direito pela UFPE, especialista em direito da economia e da empresa pela FGV-RJ, especialista em direito da concorrência pela FGV-SP, doutor em direito empresarial pela PUC-SP, professor de direito empresarial do centro universitário IESB e autor de livros na área do direito empresarial. Recentemente publicou o livro Os Fundamentos Contra o Antitruste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Função social da empresa, da propriedade e do contrato: O que é isso?

por José Carlos Zanforlin
Julgar é uma forma de ação humana
Algumas teorias são tão fabulosas em simplicidade e abrangência que perduram no tempo e influenciam diversas áreas de nossa manifestação intelectual. A teoria da ação humana, de Ludwig von Mises, que foi base de seu tratado de economia, é uma delas. Em suas palavras, “Estas observações preliminares se faziam necessárias a fim de explicar por que este tratado coloca os problemas econômicos no vasto campo de uma teoria geral da ação humana. ”[1]. Muito antes de Mises, é emblemático que João, em seu Evangelho, tenha dito que “No princípio era o verbo”, para explicar o início de tudo. Sabemos todos nós que verbo retrata ação; logo, o princípio criador de tudo foi/é a ação, provenha de onde provier.

Governo, cidadão e voto: como o voto disfarça os privilégios

por José Carlos Zanforlin
O SCRIPT
Antes de tudo, esclareça-se que cidadão, na estrutura política do Estado, é o indivíduo que vota e pode ser votado; assim, por causa do tema do artigo, será utilizado esse termo quando referido aos que votam, embora “indivíduo”, que também se submete ao Estado, seja conceito muito mais abrangente e verdadeiramente ontológico.
A Constituição brasileira em vigor, logo no artigo primeiro, contém três informações: (i) o Brasil é um estado federado, e não unitário, (ii) seu regime de governo é democrático, e não autoritário, e (iii) o poder provém do povo, mas é exercido por meio de representantes ou diretamente em específicas situações[1]. Esses dados são obtidos diretamente do texto constitucional, e expressam noção de valor do grupo dominante que elaborou a Constituição. Entretanto, é possível obter-se outras impressões sobre democracia, aqui; aqui; aqui e aqui.

Investimentos errôneos e taxa de juros

Com legendas em português (botão no canto inferior direito do vídeo).