Pular para o conteúdo principal

Clube de Leitura - Teoria e História

Vivemos num mundo que anda em ritmo acelerado. As obrigações do dia-a-dia, somadas à infinidade
de notícias que horas depois já parecem obsoletas, nos afastam da prática da leitura aprofundada, voltada para a construção de um conhecimento mais permanente.

Pensando nisso, o Instituto Carl Menger lança seu Clube de Leitura. Periodicamente serão feitos encontros para analisar e debater as obras cuja leitura está sendo proposta. Dentro do propósito de um clube de leitura, recomendamos o estudo dos capítulos sugeridos antes de cada encontro.

O primeiro livro que estudaremos em conjunto é TEORIA E HISTÓRIA, de Ludwig von Mises. Segundo Murray Rothbard, Teoria e História “continua a ser a obra-prima mais negligenciada de Mises. (...) É a grande obra metodológica de Mises, que explica a base da sua visão da economia, e apresenta críticas brilhantes a alternativas falaciosas, como o historicismo, o cientificismo e o materialismo dialético marxista.”

É possível adquirir Teoria e História nas melhores livrarias do Brasil e na loja virtual do Instituto Mises Brasil. O livro também encontra-se disponível para download gratuito.

A agenda de encontros é a seguinte:

1) 4 de março de 2015, quarta-feira, 19h30 às 21h (Prefácio ao Capítulo 7)

2) 27 de março de 2015, sexta-feira, 19h00 às 20h30 (Capítulo 8 ao Capítulo 16)

As reuniões serão realizadas no espaço educacional da DXI.

Local: SHS, Complexo Brasil 21, Bloco A, Sala 312 (em frente ao Posto da Torre), Brasília, DF.

Compareçam! Boa leitura a todos(as)!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Função social da empresa, da propriedade e do contrato: O que é isso?

por José Carlos Zanforlin
Julgar é uma forma de ação humana
Algumas teorias são tão fabulosas em simplicidade e abrangência que perduram no tempo e influenciam diversas áreas de nossa manifestação intelectual. A teoria da ação humana, de Ludwig von Mises, que foi base de seu tratado de economia, é uma delas. Em suas palavras, “Estas observações preliminares se faziam necessárias a fim de explicar por que este tratado coloca os problemas econômicos no vasto campo de uma teoria geral da ação humana. ”[1]. Muito antes de Mises, é emblemático que João, em seu Evangelho, tenha dito que “No princípio era o verbo”, para explicar o início de tudo. Sabemos todos nós que verbo retrata ação; logo, o princípio criador de tudo foi/é a ação, provenha de onde provier.

Governo, cidadão e voto: como o voto disfarça os privilégios

por José Carlos Zanforlin
O SCRIPT
Antes de tudo, esclareça-se que cidadão, na estrutura política do Estado, é o indivíduo que vota e pode ser votado; assim, por causa do tema do artigo, será utilizado esse termo quando referido aos que votam, embora “indivíduo”, que também se submete ao Estado, seja conceito muito mais abrangente e verdadeiramente ontológico.
A Constituição brasileira em vigor, logo no artigo primeiro, contém três informações: (i) o Brasil é um estado federado, e não unitário, (ii) seu regime de governo é democrático, e não autoritário, e (iii) o poder provém do povo, mas é exercido por meio de representantes ou diretamente em específicas situações[1]. Esses dados são obtidos diretamente do texto constitucional, e expressam noção de valor do grupo dominante que elaborou a Constituição. Entretanto, é possível obter-se outras impressões sobre democracia, aqui; aqui; aqui e aqui.

Biografia: Carl Menger

Homenagem a Carl Menger, nascido a 23 de fevereiro de 1840

por Jim Powell

Carl Menger tem a dupla distinção de ser o fundador da economia austríaca e um co-fundador da revolução da utilidade marginal. Menger trabalhou separado de William Jevons e Leons Walras, e chegou a conclusões semelhantes, mas por um método diferente. Ao contrário de Jevons, Menger não acreditava que bens proporcionavam “utilidades” ou unidades de utilidade. Em vez disso, escreveu que as mercadorias são importantes, pois servem a usos diversos, cujas importâncias se diferem. Por exemplo, os primeiros baldes de água são utilizados para satisfazer as mais importantes práticas, e os baldes seguintes são usados em fins cada vez menos importantes.