Pular para o conteúdo principal

Clube de Leitura - A Vida na Sarjeta

A Vida na Sarjeta
O próximo livro a ser analisado no Clube de Leitura é A Vida na Sarjeta, uma das mais
impressionantes análises sobre o modo de vida das camadas mas pobres da sociedade inglesa, bem como sobre as consequências nefastas do assistencialismo próprio dos modelos de estado de bem-estar social.

Conforme a sinopse, a obra "é o relato pungente da vida da subclasse inglesa e das razões de as pessoas persistirem nessa vida, escrito por um psiquiatra britânico que cuida da clientela de baixa renda de um hospital de periferia e dos detentos de uma penitenciária de Londres. A percepção fundamental do Dr. Dalrymple é a de que a pobreza continuada não tem causas econômicas, mas encontra fundamento em um conjunto de fatores disfuncionais, continuamente reforçados por uma cultura de elite em busca de vítimas. O livro apresenta dezenas de relatos reveladores e verídicos que são, ao mesmo tempo, divertidos, assustadoramente horríveis e bem ilustrativos, escritos em uma prosa que transcende o jornalismo e alcança a qualidade de verdadeira literatura."

Aproveitem a leitura daquele que é considerado um dos maiores ensaístas da língua inglesa em atividade.

DATA: 25 de maio de 2015, segunda-feira, 19h30 às 21h00.

LOCAL: ASA NORTE, SQN 210, BLOCO A, salão de festas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Governo, cidadão e voto: como o voto disfarça os privilégios

por José Carlos Zanforlin O SCRIPT Antes de tudo, esclareça-se que cidadão, na estrutura política do Estado, é o indivíduo que vota e pode ser votado; assim, por causa do tema do artigo, será utilizado esse termo quando referido aos que votam, embora “indivíduo”, que também se submete ao Estado, seja conceito muito mais abrangente e verdadeiramente ontológico . A Constituição brasileira em vigor, logo no artigo primeiro, contém três informações: (i) o Brasil é um estado federado, e não unitário, (ii) seu regime de governo é democrático, e não autoritário, e (iii) o poder provém do povo, mas é exercido por meio de representantes ou diretamente em específicas situações [1] . Esses dados são obtidos diretamente do texto constitucional, e expressam noção de valor do grupo dominante que elaborou a Constituição. Entretanto, é possível obter-se outras impressões sobre democracia, aqui ; aqui ; aqui e aqui .

Eu, o Lápis – Edição de 50 anos

Introdução de Lawrence W. Reed e posfácio de Milton Friedman Traduzido por Flávio Ghetti Introdução Por Lawrence W. Reed Eloquente. Extraordinário. Atemporal. Mudança de Paradigma. Clássico. Meio século após sua primeira publicação, “Eu, o Lápis” de Leonard Read, ainda provoca tais adjetivos de louvor. Merecidamente, pois este pequeno ensaio abre os olhos e mentes de pessoas de todas as idades. Muitos que o leram pela primeira vez nunca mais viram o mundo do mesmo modo novamente.

A não-neutralidade de redes é uma prática corriqueira de mercado

por Pedro Borges Griese Foi aprovado recentemente na Câmara de Deputados o projeto de lei chamado Marco Civil da Internet. Uma das partes desse projeto prevê a tal neutralidade de rede. Quatro artigos publicados neste site ( aqui , aqui , aqui e aqui ) ilustram os efeitos do problema da imposição da arquitetura de rede neutra na Internet. Este artigo não tem o objetivo de debater a neutralidade de rede na Internet, mas sim o de apresentar alguns exemplos práticos de tratamentos não-neutros em outras indústrias organizadas em redes, os quais mostram como a diferenciação no tratamento — seja priorizando ou discriminando — possibilita soluções de mercado não apenas racionais, mas também úteis e corriqueiras.