Pular para o conteúdo principal

Clube de Leitura - Submissão

Submissão
A próxima obra do Clube de Leitura é um dos um dos livros mais discutidos no mundo depois dos atentados em Paris, ocorridos em janeiro deste ano.

França, 2022. Depois de um segundo turno acirrado, as eleições presidenciais são vencidas por Mohammed Ben Abbes, o candidato da chamada Fraternidade Muçulmana. Carismático e conciliador, Ben Abbes agrupa uma frente democrática ampla. Mas as mudanças sociais, no início imperceptíveis, aos poucos se tornam dramáticas.

François é um acadêmico solitário e desencantado, que espera da vida apenas um pouco de uniformidade. Tomado de surpresa pelo regime islâmico, ele se vê obrigado a lidar com essa nova realidade, cujas consequências - ao contrário do que ele poderia esperar - não serão necessariamente desastrosas.

Comparado a 1984, de George Orwell, e a Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, Submissão é uma sátira precisa, devastadora, sobre os valores da nossa própria sociedade. É um dos livros mais impactantes da literatura atual.

DATA: 26 de junho de 2015, sexta-feira, 19h00 às 20h30.

LOCAL: Espaço Educacional da DXI
SHS, Complexo Brasil 21, Bloco A, Sala 312 (em frente ao Posto da Torre), Brasília, DF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Função social da empresa, da propriedade e do contrato: O que é isso?

por José Carlos Zanforlin
Julgar é uma forma de ação humana
Algumas teorias são tão fabulosas em simplicidade e abrangência que perduram no tempo e influenciam diversas áreas de nossa manifestação intelectual. A teoria da ação humana, de Ludwig von Mises, que foi base de seu tratado de economia, é uma delas. Em suas palavras, “Estas observações preliminares se faziam necessárias a fim de explicar por que este tratado coloca os problemas econômicos no vasto campo de uma teoria geral da ação humana. ”[1]. Muito antes de Mises, é emblemático que João, em seu Evangelho, tenha dito que “No princípio era o verbo”, para explicar o início de tudo. Sabemos todos nós que verbo retrata ação; logo, o princípio criador de tudo foi/é a ação, provenha de onde provier.

Governo, cidadão e voto: como o voto disfarça os privilégios

por José Carlos Zanforlin
O SCRIPT
Antes de tudo, esclareça-se que cidadão, na estrutura política do Estado, é o indivíduo que vota e pode ser votado; assim, por causa do tema do artigo, será utilizado esse termo quando referido aos que votam, embora “indivíduo”, que também se submete ao Estado, seja conceito muito mais abrangente e verdadeiramente ontológico.
A Constituição brasileira em vigor, logo no artigo primeiro, contém três informações: (i) o Brasil é um estado federado, e não unitário, (ii) seu regime de governo é democrático, e não autoritário, e (iii) o poder provém do povo, mas é exercido por meio de representantes ou diretamente em específicas situações[1]. Esses dados são obtidos diretamente do texto constitucional, e expressam noção de valor do grupo dominante que elaborou a Constituição. Entretanto, é possível obter-se outras impressões sobre democracia, aqui; aqui; aqui e aqui.

Conhecimento e Preços

Traduzido por Flávio Ghetti

por Donald J. Boudreux
Se desejamos entender seu real funcionamento, devemos ver o sistema de preços como um mecanismo para comunicação de informação... O fato mais significativo a respeito deste sistema é a economia com a qual ele opera, ou quão pouco os indivíduos participantes precisam saber a fim de serem capazes de agir de modo correto. ~ Friedrich Hayek (1945). O Uso do Conhecimento na Sociedade, In Bruce Caldwell (ed,), The Market and Other Orders, XV, (Liberty Fund Library, 2014):100.
Imagine um quebra-cabeça de um bilhão de peças. Estas peças estão espalhadas aleatoriamente sobre um gramado de um milhão de milhas quadradas. Se alguém te atribuísse a tarefa de encontrar todas estas peças, como você faria?